Blog

Morte Encefálica: Uma Revisão

Postado em 24/02/2017 por LiTRE UFF
Por Isabella de Almeida Klein e Ronielly Pereira Bozzi

O conceito de morte é tênue e sofre influências filosóficas, culturais e científicas mutáveis de acordo com os anos. O diagnóstico de Morte Encefálica ainda é um tabu em nossa sociedade e não é muito aceito pela população em geral e essa não aceitação da morte é um grande desafio para todos os profissionais de saúde, em especial para os médicos.de tal maneira que contrapõe conceitos éticos e dificulta o estabelecimento dos limites terapêuticos. Com os meios artificiais de manutenção da vida, a definição de morte ficou ainda mais imprecisa, dificultando o estabelecimento de limites terapêuticos, e criando dilemas éticos, o que suscitou a necessidade de se criarem parâmetros técnicos e específicos para determinar a Morte Encefálica (ME). A existência dessas determinações facilita o diagnóstico de ME e o delicado papel de comunicar e fazer a família entender o quadro, diminuindo as angústias e sofrimentos diante de “uma morte em que o coração ainda bate”, indagação mais frequente dos familiares ao serem comunicados sobre a ME.

Um estudo publicado na Revista Brasileira de Terapia Intensiva, em 2007, realizado com estudantes de medicina, demonstrou um nível baixo de conhecimento por parte dos graduandos a respeito dos protocolos de diagnóstico de ME. O que se percebe, na prática, sete anos após esse estudo, é que o tema ainda é pouco abordado nas grades curriculares das Universidades de Medicina do país, de modo que o profissional ainda tem muitas dúvidas e inseguranças para abrir um protocolo de ME, o que, em alguns casos, pode significar, inclusive, a perda da possibilidade da doação de órgãos.

A ME no Brasil tem seus conceitos baseados nas determinações da Academia Americana de Neurologia. Assim, diante de um paciente com suspeita de morte encefálica, deve-se aplicar todo o protocolo de ME, sendo ou não um potencial doador de órgãos, e os casos devem ser notificados à Secretaria de Saúde, que irá acompanhar todo o processo, dando início aos trâmites para captação de órgãos, caso seja indicado. Contudo, vale ressaltar que o diagnóstico de ME é importante não só para uma melhor captação de órgãos para realização de transplante, como para, em caso de não doadores, evitar a subsistência de pacientes já mortos, isto é, redução da distanásia e garantir ao paciente o direito ao diagnóstico de morte.

A ME não tem uma fisiopatologia bem definida, porém é sabido que o Sistema Nervoso Central sofreu danos irreversíveis por colapso da autorregulação da perfusão encefálica e da manutenção da pressão intracraniana. Inicialmente há um aumento da pressão intracraniana, que pode ser evidenciada clinicamente como a tríade de Cushing, caracterizada por bradicardia, hipertensão e alterações do ritmo respiratório. Também pode haver redução da resistência vascular pulmonar, que pode culminar em edema pulmonar. A instabilidade hemodinâmica se instala conforme a evolução dos danos encefálicos, o que evolui para choque neurogênico. Os controles vasomotores centrais são perdidos.

A determinação da morte encefálica é segmentada em três etapas: (1) fase preparatória, na qual se determina a causa da ME e busca-se afastar os possíveis diagnósticos diferenciais; (2) fase de exame, em que busca-se preparar o paciente para os exames e realizam-se os exames neurológicos clínico e complementar; (3) Fase documental. A partir do momento em que suspeita-se de ME é iniciado o Termo de Declaração de Morte Encefálica e seguem-se as etapas 1 e 2. Por Lei, o diagnóstico de ME inclui dois diagnósticos clínicos, em que um deve ser obrigatoriamente realizado por um neurologista ou neurocirurgião, e um gráfico, que podem ser alternados de acordo com o protocolo estabelecido pela Unidade ou pela Secretaria de Saúde, desde que entre a primeira e a segunda etapa ocorra um intervalo mínimo de 6 horas.

O exame neurológico clínico deve ser caracterizado por apneia, coma e total arreflexia do tronco cerebral. Como pré- requisito para iniciar o protocolo, deve-se ter a causa do coma identificada, coma irreversível, ausência de hipotermia, hipotensão, distúrbio metabólico grave, intoxicação exógena e efeito de medicamentos sedativos. O protocolo de ME não pode ser iniciado até que a causa do como seja indubitavelmente conhecida.

Durante todo o processo, a família deve estar ciente e tem total permissão legal de solicitar a presença de um médico de sua preferência durante todo o desenvolver do protocolo.

Causas reversíveis de coma devem ser afastada para que se estabeleça o diagnóstico de morte encefálica. A hipotermia e o uso de medicações são duas causas importantes que são destacadas. A hipotermia tem a destruição dos centros termorreguladores hipotalâmicos como ponto chave na sua gênese. Assim, para que se realize o diagnóstico de ME o paciente deve ser mantido em normotermia, sendo aquecido a uma temperatura aproximada de 35 ºC. Medicações tais como sedativos podem induzir um coma e ser fator de confusão para determinação do diagnóstico de ME, principalmente quando apresentam-se em doses séricas elevadas. Dessa maneira é necessário excluir a presença dessas medicações na circulação do paciente, para que se possa fazer uma avaliação adequada do estado de ME. Normalmente para se estabelecer a ausência da medicação na circulação, espera-se um período de cinco meias-vidas. Drogas comumente usadas como o fentanil, midazolan, propofol e dexmedetomidina apresentam tempo de meia-vida entre 2 e 4 horas, assim se espera cerca de 24 horas após a administração da última dose para que se inicie o protocolo. Também se deve atentar para os distúrbios hidroeletrolíticos, que podem ser causados pelo diabetes insipidus, conseqüência da própria ME. Nesse caso, tem-se deficiência na produção do hormônio antidiurético (ADH) por falência hipotalâmica. Clinicamente, o paciente apresenta-se com poliúria, hipernatremia, hipovolemia e densidade urinária próxima a 1 g/cm3.

O indivíduo com suspeita de ME deve ser ventilado com prótese mecânica durante toda a aplicação do protocolo, exceto durante a prova de apneia. A PaO2 deve girar por volta de 200 mmHg e a PaCO2 em torno de 35 mmHg. Por esse motivo, antes do início dos testes, deve-se pré-oxigenar o paciente, principalmente para reduzir complicações durante o teste da apneia.

Os reflexos supraespinhais, exclusivamente, devem estar ausentes no paciente com ME. Isto é, reflexos medulares presentes não afastam o diagnóstico de ME. Para iniciar, aplica-se a escala de Glasgow, que deve resultar num score de 3. Para testar a resposta álgica deve-se dar preferência a estímulos na face, visto que o estímulo no esterno se refere a reflexos medulares, que não excluem o diagnóstico de ME. A seguir, testa-se o reflexo fotomotor, corneopalpebral, oculocefálico, vestíbulo-ocular, reflexo da tosse e a prova da apneia. Reflexos tendinosos profundos também devem ser testados e devem estar ausentes.

A prova calórica deve ser realizada com a cabeceira elevada em 30º e a infusão de 50 mL de soro fisiológico a 0,9% a 0ºC através do meato acústico externo, de maneira lenta. Os olhos devem ser observados por dois minutos, e não pode haver qualquer movimentação ocular em casos de ME. A prova de apneia deve ser precedida de uma pré-oxigenação de pelo menos 10 minutos, com FiO2 a 100%. Ao desconectar o paciente do ventilador mecânico, deve-se instalar um cateter com O2 a 100% com fluxo de 6 L/min. Observa-se se haverá movimentos respiratórios nos próximos 10 minutos. A PaCO2 atingida durante esse período deve ser igual ou superior a 55 mmHg, confirmados por gasometria. Todos esses testes compreendem o primeiro exame clínico. O segundo exame deve ser realizado pelo menos seis horas após o primeiro.

Além do exame clínico, é necessária a realização de um exame complementar, que pode ser realizado entre os dois exames neurológicos clínicos ou após a realização de ambos, mas nunca precedê-los. Os exames complementares preconizados para auxiliar na avaliação do paciente com ME é a angiografia cerebral, tomografia SPECT, cintilografia isotópica, eletroencefalograma, Doppler transcraniano, tomografia por emissão de pósitrons e a tomografia computadorizada por xenônio. Qualquer um desses exames deve mostrar com veemência a ausência de atividade elétrica, atividade metabólica cerebral ou a ausência de circulação sanguínea encefálica.

Caso o paciente em ME seja um potencial doador de órgãos, busca-se a manutenção da integridade corporal até a realização da captação de órgãos. Os principais cuidados são pautados na instabilidade hemodinâmica, infecções, distúrbios hidroeletrolíticos e hipotermia. Infecções graves e doenças neoplásicas contra-indicam a doação de órgãos.

O Termo de Declaração de Morte Encefálica criado pela Resolução do CFM nº 1480 de 08/09/97 é de fácil preenchimento e autoexplicativo, facilitando seu preenchimento, mesmo por médicos desacostumados com o mesmo, sendo o principal desafio o reconhecimento da ME e do momento de iniciar o protocolo. Desse modo, o conhecimento dos protocolos de ME pelos estudantes durante a formação diminui esse tempo e a insegurança do futuro profissional diante desses casos delicados.



Referências

  • Morato, Eric Grossi. “Morte encefálica: conceitos essenciais, diagnóstico e atualização.” (2009): 227-236.
  • Bitencourt, Almir Galvão Vieira, et al. “Avaliação do conhecimento de estudantes de medicina sobre morte encefálica.” Revista Brasileira de Terapia Intensiva 19.2 (2010): 144-150.
  • de Alencar Meneses, Elienai, et al. “Análise bioética do diagnóstico de morte encefálica e da doação de órgãos em hospital público de referência do Distrito Federal.” Revista Bioética 18.2 (2010).
  • G Bryan Young. Diagnosis of brain death. UpToDate. 2017. Disponível em: . Acesso em: 30/01/2017.
  • Vilibor R. Morte encefálica. Medicina Intensiva – Abordagem Prática 2ª edição. São Paulo, Manole, 2015. p 425 – 434.
  • http://www.transplante.rj.gov.br/site/Arq/morte_%20encefalica.pdf.

Saiba mais sobre o Medportal:

O Medportal é o primeiro e maior provedor de plataformas de EAD (ensino a distância) direcionadas à instituições de saúde no Brasil, contando com milhares de alunos matriculados em todos os estados do país e em mais 9 países. Criado com o intuito de desenvolver o ensino de medicina e saúde no país, o Medportal oferece tecnologia completa de treinamento, avaliação e certificação de profissionais para Hospitais, Instituições de Ensino e demais empresas do setor de saúde. As principais atividades do Medportal estão divididas em: (1) soluções educacionais (tecnologia + conteúdo + consultoria) customizadas  e (2) conteúdo de atualização (cursos e treinamentos) para profissionais de saúde através de websites próprios.


Conheça o autor:

A Liga de Trauma, Reanimação e Emergência da Universidade Federal Fluminense (LiTRE-UFF) é um projeto de Extensão Universitária, vinculado à Pró-reitoria de Extensão desta universidade e ao Departamento de Cirurgia Geral e Especializada da Faculdade de Medicina da UFF. É composta por graduandos de Medicina e Enfermagem que, orientados por professores e profissionais da área da saúde da própria instituição e da rede de saúde de Niterói, têm com missão estimular o estudo das emergências médicas e do trauma em toda comunidade acadêmica da UFF, visando melhor formação dos alunos e qualidade no atendimento à sociedade.


Compartilhe esse artigo:


Anterior Próximo

Leia também

O Eletrocardiograma Normal

12/06/2017 por LiTRE UFF
Por Flávio de Oliveira Mendes e Isabella de Almeida Klein   Histórico Em 1902 surgia o eletrocardiógrafo, aparelho idealizado por Willen Einthoven capaz de registrar as correntes elétricas do coração. Desde então diversas mudanças ocorreram […]

Avaliação e Medidas Iniciais do Paciente Vítima de TCE

02/05/2017 por LiTRE UFF
Por Annelise Passos Bispo Wanderley e Marianna Martini Fischmann O traumatismo cranio-encefálico tem grande impacto na saúde da população em geral, sendo muito prevalente em jovens. Aproximadamente 60% dos pacientes que sobrevivem a traumas cranianos […]

Manejo das Lacerações Superficiais de Pele: O Que Todo Acadêmico de Medicina Deve Saber

02/05/2017 por LiTRE UFF
Por Luciana Thurler Tedeschi e Mateus Mendes Oroski Apesar do surgimento de novas opções terapêuticas como grampos, adesivos, colas para tecido, anestésicos tópicos e suturas rapidamente absorvíveis, as técnicas básicas de reparo não sofreram mudanças […]
Medportal Soluções Educacionais - Copyright ©2017 Medportal